Feminismo em Hollywood

Do discurso sobre a equiparação salarial entre gêneros, ao movimento #AskHerMore, o Oscar 2015 trouxe o debate de gêneros para Hollywood.

Zigzag Black

Por Jéssica Ferrara

HOME_hollywood_MerylStreep_AskHerMoreÉ inegável que o discurso feminista ganhou espaço no mundo pop. Quando Beyoncé se declarou feminista e propagou as falas da escritora e militante feminista nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie, o movimento ficou na moda. Até que ponto isso é positivo? Não sabemos. Talvez o importante seja o discurso chegar.

A própria Chimamanda Ngozi Adichie acredita que fazer os jovens falarem sobre feminismo é muito bom, independente de como isso pode ser feito. “Também acredito ter um problema com a ideia de o feminismo ser um tipo de festa exclusiva onde alguém decide se você pode ou não entrar”, diz. Ha também quem alegue que o feminismo propagado por estrelas do pop, pode ganhar uma conatação sexual. A escritora também tem uma opinião sobre isso: “parece que, de alguma forma, tem algo errado com uma mulher confortável com sua sexualidade”, declarou.

É por isso que não podíamos deixar de falar sobre o que aconteceu durante a cerimônia do Oscar 2015. Ver Patricia Arquette levar a estatueta de Melhor Atriz Coadjuvante e subir ao palco para falar sobre equiparação salarial foi um marco. “Para toda a mulher que já deu a luz, para todo cidadão que paga impostos desta nação, nós já lutamos pelos direitos de todo o mundo, chegou a hora de termos igualdade de salários para os sexos e direitos iguais para mulheres nos Estados Unidos”, declarou a atriz. Meryl Streep vibrou tanto que até virou meme na internet.

Meryl Streep e Jennifer Lopez aplaudindo o discurso de Patricia Arquette no Oscar de 2015

Meryl Streep e Jennifer Lopez aplaudindo o discurso de Patricia Arquette no Oscar de 2015

Segundo a revista norte-americana Forbes, após o sucesso em Gravidade, Sandra Bullock está no topo das atrizes com a maior remuneração do mundo, com um cachê de US$ 51 milhões. Jennifer Lawrence e Jennifer Aniston vêm em segundo e terceiro lugar. Quando passamos para a listra dos atores mais bem pagos de Hollywood a coisa muda. Enquanto o top cinco das atrizes arrecada um total de US$ 153 milhões, a soma da remuneração dos cinco primeiros homens é de um bilhão de dólares. Robert Downey Jr. lidera, com US$ 75 milhões.

Na cerimônia, também tivemos a campanha #AskHerMore (“Pergunte mais a ela”, em tradução livre) mudando o jogo do tão esperado tapete vermelho. A hashtag foi criada para estimular repórteres a perguntar questões interessantes às mulheres, não só sobre o cabelo, a maquiagem e o vestido.

Depois dessa ação, em entrevista sobre o filme “Vingadores 2: a era de Ultron”, a Cosmopolitan norte-americana inverteu as perguntas para os atores Scarlett Johansson e Mark Ruffalo. Ele respondeu perguntas sobre vestuário, maquiagem e dietas, e ela falou sobre o trabalho e sua personagem na franquia. Veja o resultado (para ativar a legenda do vídeo, basta clicar no ícone de configurações):

À frente da iniciativa, estava a comediante Amy Poehler, estrela do seriado Parks and Recreation, e o grupo Representation Project. A atriz Reese Witherspoon, que concorreu ao Oscar de Melhor Atriz, também apoiou a campanha.

Reese-Witherspoon-selfie-oscar2015-tapetevermelho

“Somos mais do que nossos vestidos. São 44 mulheres indicadas este ano, estamos felizes por estar aqui e falar do trabalho que fazemos. É difícil ser mulher em hollywood e em qualquer área. Queremos falar sobre isso, queremos mais sucesso, e melhores papeis para as mulheres”, disse a atriz Reese Witherspoon no tapete vermelho do Oscar 2015. (Foto: Reprodução/Instagram)

A cobertura da campanha pela mídia foi positiva, mas a Revista Veja mostrou pensar diferente:

11032363_904238349610405_1033972943466691299_n

Matéria ‘Vamos perguntar a elas?’ veiculada na revista Veja de março de 2015. (Foto: Reprodução/Facebook)

“Elas usam roupas deslumbrantes com decotes equinociais, posam para capas de revistas, ganham centenas de milhares de dólares em comerciais de produtos de beleza e, muitas, vários milhões para fazer filmes ancorados em seu talento – e beleza -, mas sobem nos Louboutins quando ouvem a pergunta clássica “De onde é seu vestido?”. Atrizes, ah, atrizes, tão belas e tão inteligentes – imaginem o QI necessário para superar a implacável concorrência – e tão mimadas que agora exigem falar só de assuntos sérios, como fez Patricia Archette ao ganhar o Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante por Boyhood e sacar um par de óculos e um discurso engajado: um brado pela igualdade salarial entre homens e mulheres em Hollywood. Então, vamos perguntar à Patricia, que, probrezinha, tem uma fortuna de US$ 24 milhões: sabe a diferença entre salário e remuneração?

Este é o primeiro parágrafo da matéria da Revista Veja que, diminuindo as atrizes usando a beleza como argumento – e sequer citando o fator talento -, às chamou de mimadas por reivindicarem a equiparação salarial. Não importa se o valor de US$ 24 milhões é alto, o que Patricia Arquette apontou em seu discurso – viralizado em questões de segundo pelas redes – não se aplica somente à Hollywood, mas em todo o mundo e em todos os setores produtivos da sociedade. O meio ridicularizou e ignorou a mobilização à favor dos direitos das mulheres feita neste último Oscar.

A revista optou pelo senso comum e por ironias pobres para defender o quanto a #AskHerMore não merecia sua devida atenção e com isso, ofedeu décadas de luta das mulheres.

Não podemos deixar de mencionar que, neste ano, a cerimônia mais aguardada de Hollywood não trazia nenhuma mulher como protagonista dos indicados a Melhor Filme. Além da categoria de Melhor Atriz e Melhor Atriz Coadjuvante, também não nomeou nenhuma mulher aos grandes prêmios. E isso não acontecia desde 2006. A diretora Ava DuVernay, que produziu um dos longa-metragens mais importantes do ano, Selma – Uma Luta pela Igualdade, foi a primeira mulher negra a ser indicada ao Globo de Ouro de melhor direção, e passou completamente despercebida pelo Oscar. Vale dizer que, ops, 77% dos votantes da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas são homens.

Depois dessa, nada melhor do que este gif de Cate Blanchett, musa de Blue Jasmine, na premiação SAG Awards de 2014. Afinal, vemos um full-length de Leonardo DiCaprio toda a premiação, não é verdade?

tumblr_mzminnHsFJ1ru72puo1_400

A atriz perguntou ao cameraman do E!: “Você faz isso com os meninos? O que você acha que vai acontecer lá embaixo de tão interessante?”

facebooktwittergoogle_pluspinterestmail
Jéssica Ferrara
Jornalista com inclinações misteriosas por design e programação. Não sabe do que gosta mais: assistir a filmes antigos ou comprar livros novos e prometer a si mesma que lerá cada um deles até o final do mês. Apaixonada por debates que envolvam gênero e tudo que diz respeito à mulher e à sociedade.


Deixe uma resposta